Entrevista com Rose Pidner

A homenageada do Prêmio Jazz de Minas 2018 fala um pouco sobre sua trajetória e desafios para produção cultural. Confira!

Com surgiu o desejo de trabalhar com produção cultural? Foi algo que aconteceu aos poucos ou inesperadamente em sua vida?

Nasci numa família extremamente musical. Meu pai ouvia ópera, meus irmãos ouviam jazz e bossa nova e a cultura, representada principalmente pela música, sempre fizeram parte da minha vida. O trabalho como produtora vinculado à música foi nascendo aos poucos, mas de maneira muito natural, quase orgânica. Quando mudei para Paris, nos anos oitenta, houve a necessidade de organizar as gigs e as turnês com os empresários locais e com os músicos com quem tocava. Como eu tinha fluência em inglês e francês ficava sempre com a tarefa de cuidar da logística, agenda e ficha técnica. Assim fui aprendendo a produzir. Fiz também na Europa, vários trabalhos como “tour manager” viajando com outros músicos e grupos organizando as coisas.



Você morou 12 anos na Europa, correto? Durante esse período qual foi seu maior aprendizado com relação à produção cultural.


A organização dos europeus com relação ao negócio da música e das artes em geral era muito bem estruturada e, se comparamos com o Brasil daquela época, a diferença era muito grande. Hoje boa parte da nossa organização em termos de produção cultural mudou muito para melhor, porém à época (anos oitenta e noventa) o profissionalismo europeu foi novidade e fonte de aprendizado para mim.


Atualmente, qual é (ou são) os maiores desafios para a produção cultural na capital mineira?

Duas coisas considero maiores desafios: a dificuldade de fazer o poder público entender a importância do trabalho que nós produtores culturais fazemos em prol do desenvolvimento da cidade e de seus habitantes, e a outra é formação de plateia para a música instrumental e de alta qualidade. Tenho certeza que ainda podemos ampliar muito este público que conquistamos.


Você é a primeira produtora a receber o Prêmio Jazz de Minas (até então ele era designado apenas a músicos). Como se sente ao receber essa homenagem?

Me sinto muito feliz e honrada com o reconhecimento do Savassi Festival pelo trabalho que realizamos na Veredas Produções, produtora em que sempre procuramos trazer boa música, com boa produção, respeito aos artistas e ao nosso público.

Entrega do Prêmio


Entrega do Prêmio Jazz de Minas à Rose Pidner
Data: 08 de agosto
Local: Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB-BH
Horário: 20h30

A entrega do prêmio será acompanhada pelo concerto de Juarez Moreira. Abaixo informações:

Projeto Música Nova: Juarez Moreira - première da composição comissionada pelo Savassi Festival
Data: 08 de agosto
Local: Teatro do Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB-BH
Horário: 32h 

 Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia)